11 de mai de 2011

TRIBULUS TERRESTRIS E TESTOSTERONA marketing furado



TRIBULUS TERRESTRIS não faz parte das linhas de suplementos mais populares como proteínas e aminoácidos, ele é utilizado por um grupo mais seleto de consumidores (ATLETAS), que buscam substancias capazes de provocar efeitos diretos na performance; nesse caso específico não somente a performance física, mas também a sexual...

...mas por que sexual? Atletas não são máquinas do sexo? Não necessariamente, algumas das substancias utilizadas por atletas podem reduzir a libido durante o seu uso, já outras podem aumentar, mas ambas, após cessação completa de uso, levam a quedas no rendimento sexual. É por essa razão que o TRIBULUS é bem conhecido por atletas; particularmente os do sexo masculino, pois ele parece colocar o “bigurrilho” pra funcionar...

A maior parte dos suplementos populares constitui simplesmente macronuitrientes; ou seja, as proteínas e carbohidratos que encontramos nos alimentos transformados em pó, xarope, gel ou cápsulas pela industria. Se mais gente parasse pra pensar nesse simples fato, talvez fossem menos compulsivos no seu desespero em consumir suplementos e comessem um pouco melhor.

Outras substancias como Creatina, BCAA’s, Leucina Isolada, HMB, Glutamina, situam se numa categoria intermediária, pois embora algumas sejam encontradas nos alimentos, tem uma concentração mais difusa. Os fabricantes conseguem então isolar essas substancias dos alimentos em laboratório, e as ofertam em alta concentração em xaropes, cápsulas ou pó.

O TRIBULUS ao contrário dos outros suplementos não é um nutriente, mas uma erva utilizada a milênios pela medicina chinesa e indiana. Seus efeitos biológicos parecem estar mediados pela ação de saponinas esteroides, que foram isoladas na ultima década:

protodioscina
prototribestina
pseudoprotodioscina
dioscina
tribestina
tribulosina
flavonoide rutina

A análise de amostras de tribulus produzidas em diferentes partes do mundo como Sérvia, Bulgária, Índia, Grécia, Macedônia, Geórgia, Turquia, Iran, Vietnam, revela concentrações diferentes de saponinas ou mesmo ausência de algumas delas, e isso pode responder pela inconsistência dos estudos em demonstrar os efeitos que os atletas esperam.

O consumidor mais sofisticado não esta livre de ser confundido com bla bla bla pseudo científico da industria de suplementos. Uma estratégia muito comum pra atingir essa clientela é citar “estudos” embasando o respectivo suplemento. A observação mais cuidadosa revela que alguns desses estudos simplesmente não existem, ou nunca chegaram a ser publicados.

Uma outra técnica é “esquecer” de citar que os estudos foram feitos com animais, e não humanos ou muito menos atletas. É comprovado que o TRIBULUS apimentou a vida sexual de muitos ratos e coelhos que viveram mais felizes em laboratório, mas isso parece estar muito mais relacionado a um efeito no corpo cavernoso do que nos níveis de testosterona (Adaikan,2000). Mesmo as alterações observadas nesses níveis com animais, seriam apenas o suficiente para saturar o limiar dos tecidos responsáveis pela resposta sexual, e não para atingir níveis suprafisiológicos de hormônios, SOMENTE ALCANÇÁVEIS ATRAVÉS DE ESTERÓIDES.

O período chamado de “pós ciclo” entre os usuários de esteróides é o análogo da menopausa das mulheres, com a diferença de ser artificialmente criado em indivíduos do sexo masculino, e que esses tem apenas 20 a 30 anos. A produção de hormônios sexuais encontra se inibida pelo uso prévio de anabolizantes esteróides e permanecerá dessa forma durante algumas semanas ou mesmo meses. O indivíduo agora alem de não estar usando anabolizantes, não produz em si mesmo os hormônios que o fazem sentir “homem”, ou melhor, “super homem”. Segue-se um período de perda de massa muscular, ganho de gordura, diminuição da força, diminuição do desejo e desempenho sexual, que pode evoluir para redução da auto-estima e depressão transitória. Esse período é temporário, e sua duração pode ser reduzida ou seus efeitos atenuados com a utilização de algumas estratégias como medicamentos, psicoterapia, ou suplementos = Qualquer estratégia que sirva como alavanca a nível psicológico.

Esse é justamente um dos aspectos que pode criar dependência no uso dos esteróides, e o usuário deve estar consciente da transitoriedade dos ganhos e da diminuição dos efeitos algumas semanas no final dos ciclos. AOS MÉDICOS E PSICÓLOGOS AE VAI A DICA DE UM NICHO DE MERCADO NÃO EXPLORADO:

Reestabelecimento do eixo hipotalamico-pituitário-testicular em usuários de esteróides,

Depressão pós uso contínuo de esteróides.

...mas voltando ao TRIBULUS. Essas propriedades “pro-eretivas” no corpo cavernoso são sempre bem vindas aos homens, particularmente ao final de um ciclo de esteróides. Essa “paudurecência” levou muitos a crer que o TRIBULUS seria um composto natural capaz de reestabelcer mais rapidamente a produção de testosterona, e é dessa forma que muitos atletas o utilizam. Isso levou também a esperta indústria de suplementos a fazer alegações ridículas e bem marketeiras pra vender o composto como:

“Aumente seus níveis de testosterona naturalmente em xxx %”...

“O uso desse produto pode levar a falso positivo no exame anti doping”...

Alguns atletas, igualmente espertos, após serem pegos no doping declaram estar “puros”, e que teriam utilizado apenas TRIBULUS TERRESTRIS. Pra checar essa malandragem Saudan e colaboradores (2008) recrutaram duas voluntárias que utilizaram 500 mg de TRIBULUS 3 vezes ao dia por 2 dias seguidos. Ao final dessas 48 horas os níveis hormonais foram checados e não se verificou qualquer alteração nos níveis de testosterona.

Ok, então você acha que 2 dias foi muito pouco tempo? Rogerson e colaboradores (2007) estudaram um time inteiro de Rugby da Austrália, durante a pré-temporada , com trabalho de musculação durante 5 semanas, 450 mg/dia. Não foram registradas diferenças na força ou composição corporal em relação ao grupo controle, e nem alterações hormonais na relação testosterona / epistestosterona de 4:1, definida pela WADA como caracterizante de Doping.

Antonio e colaboradores (2000) também não verificaram qualquer vantagem no uso de TRIBULUS nos 15 sujeitos analizados em seu estudo durante 8 semanas. Percentual de gordura, peso corporal, total de água no corpo, dieta, estado de humor e performance no supino e leg press foram avaliados O grupo placebo teve resultados ainda melhores no leg press. A dosagem foi de 3,21 mg de TRIBULUS por kg corporal / dia.

Neychev e Mitev (2005) investigaram o efeito do TRIBULUS no metabolismo dos androgênios em 21 homens. Os níveis de testosterona, androstenediona e hormônio luteinizante mostraram se normais nas semanas seguintes. A conclusão dos autores foi de que as saponinas do TRIBULUS não possuem qualquer efeito direto ou indireto nos níveis hormonais.

Então recado dado! Se você conhece alguém que disse que caiu no doping por causa de tribulus, essa pessoa provavelmente esta apenas tentando ocultar o fato de estar bombada*, bolada* até a alma!

Finalizando, considero frustrante o fato do TRIBULUS não ter em seres humanos o mesmo sucesso que em nossos amigos coelhos, ratinhos e macacos, em relação a produção de testosterona (Gauthaman, 2008). Cabe lembrar que diferentes apresentações atuais, e futuras formulações, podem apresentar concentrações maiores, menores ou ausentes de saponinas específicas, que em grandes concentrações poderiam (?) ter algum efeito sobre os níveis hormonais em seres humanos. A protodioscina por exemplo parece ser a saponina responsável pelo o efeito observado no corpo cavernoso de coelhos. No presente no entanto essa possibilidade é pura especulação. Não espere dessa substância mais do que ela parece poder oferecer... ou seja, alguns momentos felizes pra sua namorada; ou não...

Animais de laboratório adoram tribulus



Na próxima matéria sobre TRIBULUS, falarei sobre alguns usos pouco conhecidos e surpreendentes para essa substancia.


** Como o Blog tem abrangência nacional, cabe lembrar ao leitor comum, não “versado” na subcultura do mundo dos pesos, que “bolado” (expressão paulista) e “bombado” (expressão carioca) são gírias que referem se ao sujeito que utiliza esteróides pra melhora do físico e da performance atlética.


REFERENCIAS

Phytochemistry. 2008 Jan;69(1):176-86. Epub 2007 Aug 23.
Distribution of steroidal saponins in Tribulus terrestris from different geographical regions.
Dinchev D, Janda B, Evstatieva L, Oleszek W, Aslani MR, Kostova I.

J Strength Cond Res. 2007 May;21(2):348-53.
The effect of five weeks of Tribulus terrestris supplementation on muscle strength and body composition during preseason training in elite rugby league players.
Rogerson S, Riches CJ, Jennings C, Weatherby RP, Meir RA, Marshall-Gradisnik SM.

Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2000 Jun;10(2):208-15.
The effects of Tribulus terrestris on body composition and exercise performance in resistance-trained males.
Antonio J, Uelmen J, Rodriguez R, Earnest C.

Forensic Sci Int. 2008 Jun 10;178(1):e7-10. Epub 2008 Feb 20.
Short term impact of Tribulus terrestris intake on doping control analysis of endogenous steroids.
Saudan C, Baume N, Emery C, Strahm E, Saugy M.

J Ethnopharmacol. 2005 Oct 3;101(1-3):319-23.
The aphrodisiac herb Tribulus terrestris does not influence the androgen production in young men.
Neychev VK, Mitev VI.

Ann Acad Med Singapore. 2000 Jan;29(1):22-6.
Proerectile pharmacological effects of Tribulus terrestris extract on the rabbit corpus cavernosum.
Adaikan PG, Gauthaman K, Prasad RN, Ng SC.

Phytomedicine. 2008 Jan;15(1-2):44-54.
The hormonal effects of Tribulus terrestris and its role in the management of male erectile dysfunction--an evaluation using primates, rabbit and rat.
Gauthaman K, Ganesan AP.

1 comentários:

tribulussssssssss..é fóda!!,Recomendo,ea minha mulher tbm!, Apos uma semana tomando minha mulher chegou de viage da ITALIA,..peguei éla de geito,..rsrs,..ai éla falo nossa amor,tudo isso é saudades,falei não amor é tribulussssssssss,..hahahahaha

Postar um comentário

Online Users
Central Blogs
Top Sports blogs

Redes Sociais

Twitter Facebook Delicious Digg Stumbleupon Favorites